Não Havia como Manipular

A família Johnstons já fazia parte da igreja por 15 anos antes do pastor ou um dos presbíteros suspeitarem de qualquer problema no seu casamento. E essa suspeita se levantou por causa de uma conversa ouvida casualmente no estacionamento — a esposa de um dos presbíteros estava procurando por uma mamadeira na parte de trás da sua van, que estava debaixo dos tapetes, fora de vista. E com o carro da família Johnstons estacionado logo ao lado, foi impossível não ouvir Cherise dando um sermão em seu marido, Ken, por causa do seu acesso intermitente à pornografia. A expressão maior hipócrita foi usada. Aparentemente, algo dito contra isso no sermão e o fato de Ken estar concordando com aquele sentimento de justiça, despertaram-na.

O pastor, naturalmente, agendou uma conversa com Ken na terça seguinte, e aquela fora uma das reuniões mais espiritualmente efetivas que jamais tivera com um membro da igreja. Ken confessou absolutamente tudo, concertou-se com Deus e, de forma voluntária, trouxe à tona várias outras coisas que precisava restaurar, incluindo algumas situações significativas de desonestidade no trabalho. A transformação em Ken era notável, e o pastor disse que nunca havia visto algo tão impressionante ou completo. Ele passou a se encontrar com o pastor semanalmente para instrução e prestação de contas.

[Ele] confessou absolutamente tudo, concertou-se com Deus e, de forma voluntária, trouxe à tona várias outras coisas que precisava restaurar, incluindo algumas situações significativas de desonestidade no trabalho.

A surpresa chegou cerca de seis meses depois, quando Cherise deu entrada no divórcio e passou a congregar em outro lugar. Ela estava irada com a igreja, com seu marido, e também com todo o mundo. Uma amiga, que esteve com ela algumas vezes após ir embora, ajudou o pastor a ligar os pontos, enquanto ele ficou completamente boquiaberto. “Ah, não há mistério algum sobre isso”, disse ela. “Cherise não conseguia viver com um homem que não tivesse mais que dormir no sofá. Não havia como manipulá-lo”.


Todos os personagens e situações da série “Cinquenta Maneiras de Abandonar os Irmãos” são completamente fictícios. Contudo, os padrões descritos não o são, e sem dúvida serão reconhecidos de imediato por qualquer pastor experiente.


Autor: Douglas Wilson | Tradução: Thiago McHertt