Decisões Eclesiásticas na Pandemia

ANTESCRIPT: Os princípios bíblicos abaixo são os mesmos que temos usado [na IPR] para tomar decisões em meio à pandemia. É importante pontuar que esses princípios não estão sujeitos às diferenças entre EUA e Brasil, embora os métodos possam variar.

O conselho da Christ Church tem tomado decisões sobre o que fazer semana após semana. Há alguns dias atrás adotamos os seguintes princípios para guiar nossas decisões.

Os presbíteros da Christ Church afirmam o exposto abaixo. Fica resolvido que:

  • Nenhum governo humano em nenhum nível ou esfera (federal, estadual, local, familiar ou eclesiástico) tem autoridade de proibir completamente a adoração corporativa ao Deus criador triúno;
  • Deus deu as chaves do reino à igreja e, portanto, a decisão de reunir-se ou não para a adoração de forma adequada e ordinária pertence aos presbíteros da igreja;
  • Deus concedeu aos magistrados civis verdadeira autoridade naquilo que circunda a reunião de adoração dos santos (circa sacra). Esta verdadeira autoridade dos magistrados em torno da adoração inclui a proteção da vida em emergências reais (por exemplo, incêndio, atiradores, e quarentena dos doentes em tempo de praga) que podem, temporariamente, interromper a adoração corporativa;
  • Ao se submeterem aos pedidos de um magistrado para não se reunir, os presbíteros da igreja não renunciam sua jurisdição ou responsabilidade in sacris, antes, a igreja e as autoridades civis retém suas respectivas jurisdições sob Deus e as leis pertinentes;
  • Há vezes nas quais a autoridade dos presbíteros in sacris e a autoridade do magistrado circa sacra irão se sobrepor genuinamente, e em tais tempos de tensão, todas as partes são responsáveis por resolvê-la de acordo com a lei de Cristo;
  • Qualquer autoridade humana é capaz de abusar da sua autoridade legítima a tal ponto que outros governos podem aprovar ou direcionar os seus a desconsiderá-la;
  • A menos que a ordem de um magistrado seja explicitamente abordada na Escritura de forma direta, se a Christ Church decidir se reunir para adoração contra a solicitação ou exigência do magistrado civil, a consciência de nenhum presbítero estará sujeita à decisão da maioria, e a maioria defenderá o direito da opinião minoritária à sua convicção, sem prejuízo.

Autor: Conselho da Christ Church | Tradução: Thiago McHertt